Pixel do Facebook

Filmes de 2018

Os cinemas em 2018 se tornaram espaços de reflexão. Mais do que apenas entretenimento, as pessoas encontraram filmes dos mais variados gêneros que permitiram debater sobre injustiças, preconceitos e problemas sociais. O racismo, por exemplo, entrou em discussão nos principais longas do ano. ‘Green Book: O Guia’ venceu o Oscar de 2019, ‘Infiltrado na Klan’ conquistou o público e ‘O Ódio que Você Semeia’ tocou os mais jovens.

Enquanto isso, a Marvel levou a questão racial para o grande público por meio do filme ‘Pantera Negra’. Dirigido por por Ryan Coogler, o longa encantou o público e chamou a atenção pela história poderosa, cheia de referências à cultura africana. Além disso, pela primeira vez, o estúdio de Homem de Ferro e Capitão América encantou os votantes do Oscar. ‘Pantera Negra’ quebrou recordes e foi indicado em sete diferentes categorias.

Grandes franquias

Mas não foi só ‘Pantera Negra’ que movimentou o mundo dos filmes inspirados em HQs. ‘Vingadores: Guerra Infinita’ deu os primeiros passos para a conclusão de personagens da Marvel, enquanto ‘Venom’ e ‘Deadpool 2’ se arriscaram com anti-heróis nas telonas. Por fim, a Warner Bros. conseguiu emplacar uma bilheteria impressionante com ‘Aquaman’. O filme estrelado por Jason Momoa encantou o público e deu sobrevida à DC nos cinemas.

Para além do mundo dos heróis, outras franquias trouxeram histórias antigas de volta às telonas. ‘Halloween’ repaginou a trama do frio assassino Michael Myers, enquanto ‘Bumblebee’ deixou a era Michael Bay para trás com o filme mais divertido de ‘Transformers’. Em ‘Missão Impossível: Efeito Fallout’, Tom Cruise mostrou que continua em forma e em ‘Jurassic World: Reino Ameaçado’, os dinossauros continuaram a empolgar.

Entre a música e o drama

O público também ficou empolgado com histórias musicais. ‘Bohemian Rhapsody’ dividiu opiniões ao contar a história do grupo Queen, por conta de algumas decisões criativas e da atuação de Rami Malek, consagrado com um Oscar de Melhor Ator. No entanto, o filme empolgou e fez uma bilheteria de US$ 900 milhões ao redor do mundo. ‘Mamma Mia! Lá Vamos Nós Outra Vez’ seguiu no encalço, com músicas do conjunto sueco ABBA.

Um pouco mais dramático, o remake ‘Nasce uma Estrela’ colocou Lady Gaga como protagonista de um filme e fez as lágrimas rolarem por aí. Além de várias indicações ao Oscar, a produção consagrou a música ‘Shallow’ como uma das principais de 2018.

Ainda na área de dramas humanos, mas sem música, foram várias as produções que trouxeram olhares sensíveis sobre a humanidade e as pessoas ao nosso redor. ‘A Vida em Si’ emocionou com uma história lacrimosa, enquanto ‘Três Anúncios para um Crime’ misturou drama, humor e uma pitada de crítica racial numa história pouco convencional. Bateu na trave na competição do Oscar, que acabou caindo no colo de ‘A Forma da Água’.

A vez da Netflix

Por fim, deve-se ressaltar o crescimento impressionante da Netflix durante 2018. Além de se firmar com lançamentos originais semanais, o serviço de streaming causou alvoroço com o thriller ‘Bird Box’. Foram meses de discussões sobre o significado da trama. Já em ‘Black Mirror: Bandersnatch’, a Netflix surpreendeu com uma filme interativo, que mudava seu final para cada espectador. E em ‘Roma’, emoção à flor da pele e competição acirrada no Oscar.

Assim, 2018 pode ser visto como um ano de transformações. Maior presença de questões sociais, ampliação da presença do streaming, renascimento de franquias antigas com novas roupagens. Um ano com muitas mudanças, mas com filmes para todo tipo de espectador.

Obrigado, agora você está inscrito na nossa newsletter!